Bronquite: o que é, sintomas, causas e tratamentos

A bronquite é a inflamação das principais vias respiratórias dos pulmões, os brônquios, que são responsáveis por transportar o oxigênio de e para os pulmões, fazendo com que fiquem irritados e inflamados e causando sintomas como tosse seca ou com catarro, chiado no peito ou falta de ar.

Esta doença pode ser causada por um resfriado comum, gripe ou outra infecção respiratória, caracterizando a bronquite aguda, que é inflamação temporária dos brônquios e, geralmente dura de 1 a 3 semanas, podendo afetar pessoas de todas as idades, mas ocorre principalmente em crianças com menos de 5 anos.

No entanto, quando a irritação ou a inflamação do revestimento dos brônquios é constante,  a pessoa apresenta tosse diária que dura mais de 3 meses ou tem muitos episódios repetidos de bronquite no ano, essa doença é chamada de bronquite crônica.

A bronquite deve ser tratada com remédios indicados pelo pneumologista, como broncodilatadores, antibióticos, corticoides ou antitussígenos, dependendo do tipo que bronquite que a pessoa tem.

Bronquite: o que é, sintomas, causas e tratamentos

Sintomas de bronquite

Alguns dos sintomas que podem indicar que a pessoa tem bronquite são:

  • Tosse seca ou com catarro;
  • Catarro claro, branco, cinza-amarelado ou verde, podendo também haver sangue, em alguns casos;
  • Falta de ar ou dificuldade para respirar;
  • Ruídos ao respirar;
  • Desconforto no peito;
  • Lábios e pontas dos dedos arroxeados ou azulados;
  • Inchaço nas pernas;
  • Febre ou calafrios;
  • Cansaço;
  • Falta de apetite.

No caso da bronquite aguda, a pessoa pode também apresentar sintomas parecidos com o resfriado comum ou sinusite como dores de garganta, de cabeça ou no corpo e nariz escorrendo ou entupido, que geralmente melhoram em 1 semana.

No entanto, se a tosse continuar por mais de 3 semanas, a pessoa apresentar febre por mais de 3 dias seguidos ou tiver muita dificuldade para respirar, deve-se procurar ajuda médica imediatamente, pois a bronquite pode evoluir para uma pneumonia, devendo sempre ser tratada pelo pneumologista ou clínico geral.

O diagnóstico da bronquite é feito pelo pneumologista com base na avaliação dos sintomas e ausculta dos pulmões e exames, como raio-x de tórax para verificar a presença de pneumonia, exame do escarro, espirometria e prova de função pulmonar, que permitem identificar a causa e, assim, indicar a melhor forma de tratamento.

Como é feito o diagnóstico

O diagnóstico da bronquite é feito inicialmente pelo médico a partir da análise dos sintomas apresentados pela pessoa, além de ser feita um exame físico durante a consulta. Além disso, o médico realiza a ausculta dos pulmões com o objetivo de identificar alguma alteração na respiração.

Para confirmar o diagnóstico, é normalmente solicitada a realização de exames de imagem, como raio-X de tórax para avaliar os pulmões. Além disso, pode ser indicada a realização de exame de escarro, espirometria e prova da função pulmonar, pois assim é possível descartar outras hipóteses diagnósticas, principalmente a pneumonia, e, assim, confirmar o diagnóstico de bronquite e iniciar o tratamento mais adequado.

Possíveis causas

A causa mais comum da bronquite, principalmente da bronquite aguda, são as infecções por vírus, como gripes e resfriados, ou infecções por bactérias, menos comuns, podendo provocar irritação e inflamação nos brônquios que aumentam de volume e produzem mais catarro, o que diminui fluxo de ar nos pulmões, dificultando a respiração.

O tabagismo é outra causa comum de bronquite, pois a exposição à fumaça de cigarro provoca irritação constante nos brônquios, levando ao desenvolvimento de bronquite crônica.

Além disso, a exposição a poeira, pólen ou poluição do ar, pode desencadear bronquite alérgica, que nem sempre tem cura, mas o uso de vacinas pode ser útil para controlar a reação alérgica e evitar os episódios de bronquite.

Como é feito o tratamento

A maioria dos casos de bronquite aguda melhora sem tratamento dentro de algumas semanas, mas em alguns casos o pneumologista pode indicar o uso de medicamentos como:

  • Analgésicos, como dipirona ou paracetamol, para aliviar a febre;
  • Anti-inflamatórios, como ibuprofeno, para as dores de cabeça ou no corpo e reduzir a inflamação dos brônquios. É importante ressaltar que o ibuprofeno ou outros tipos de anti-inflamatórios não esteroidais, não devem ser tomados por pessoas que têm asma, pois pode piorar os sintomas.
  • Expectorantes, como guaifenesina ou ambroxol, para aumentar a eliminação do catarro;
  • Mucolíticos, como acetilcisteína ou bromexina, para deixar o catarro mais líquido facilitando sua eliminação;
  • Antitussígenos, como dextrometorfano ou clobutinol, para diminuir a tosse seca;
  • Antibióticos para combater infecção bacteriana.

Além disso, no caso de bronquite crônica, o médico pode indicar o uso de broncodilatadores como salbutamol ou brometo de ipratrópio, para abrir os brônquios e facilitar a respiração, e corticóides que podem ser usados por via oral ou bombinhas, para controlar a inflamação dos brônquios.

Em alguns casos, especialmente da bronquite crônica, realizar sessões de fisioterapia ajuda a aumentar a capacidade respiratória e a eliminar as secreções, por meio de técnicas manuais, uso de aparelhos respiratórios e exercícios respiratórios.

Cuidados durante o tratamento

Algumas medidas importantes devem ser feitas durante o tratamento da bronquite como tomar os remédios nos horários corretos conforme orientado pelo médico, não fumar para reduzir a irritação dos brônquios, repousar e beber bastante líquido, como água ou chás, para fluidificar o catarro, facilitando sua eliminação.

Além disso, pode-se usar um umidificador ou respirar o vapor da água durante o banho para ajudar a eliminar o catarro.

O uso de plantas medicinais com propriedades antissépticas e expectorantes como o óleo de copaíba também podem ajudar no tratamento da bronquite.

 

Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *